Dinheiro, moedas, cofrinho, indicadores, querendo mostrar que investir dinheiro é o segredo pra enriquecer.

O ano era 1995 e o Plano Real havia sido implementado no país há pouco tempo.

O Brasil vinha de um momento econômico delicado e todos estavam acostumados a estocar comida em casa por causa das altas inflações que aconteceram em anos anteriores (minha mãe faz isso até hoje).

Além de comida, o povo brasileiro estava acostumado a estocar dinheiro em casa também.

Isso porque o Collor, em 1990, confiscou a poupança de milhares de brasileiros sem qualquer aviso prévio.

Resultado? Vamos parar de investir dinheiro (mesmo que na poupança) e deixar o dinheiro em casa, debaixo do colchão que é mais seguro, certo?

Nessa época, vivia em Curitiba uma mulher chamada Amélia, de 26 anos, que vivenciou toda essa bagunça logo no começo da sua carreira profissional.

Por isso, ela era dessas pessoas que ao invés de investir dinheiro preferia deixar ele em casa, guardado num esconderijo secreto.

De todo o salário que recebia na época, R$ 2.000,00, guardava R$ 300,00 (15% do seu salário) no seu “cofre” e o resto usava no seu dia a dia.

E assim foi ao longo de 10 anos, sempre guardando 15% da sua renda.

Guardar ou investir, qual o melhor caminho?

Pois bem, depois de passado esses 10 anos (no começo de 2005), Amélia resolveu usar todo o seu dinheiro guardado pra comprar aquela casa que ela queria lá em 1995 e que, na época, custava R$ 50.000,00

Com suas economias ela havia juntado R$ 74.404,79, então poderia comprar a casa, certo?

Se olharmos apenas os valores nós podemos dizer que sim, mas tem uma coisa que a Amélia não conhecia.

A inflação.

Pelo impacto disso no valor da casa, ela passou de R$ 50.000,00 em 1995 pra R$ 117.980,54 em 2004 (aplicando a inflação real do período).

Obs.: histórico da inflação anual retirado de um artigo da “Suno Research” que pode ser visto nesse link.

Ou seja, mesmo tendo guardado dinheiro esses anos todos ela ainda não seria capaz de comprar o que tanto queria, sua casa.

E por que isso?

Porque a inflação fez o preço da casa subir ao longo desses 10 anos e seu dinheiro, por estar guardado em casa, não acompanhou essas variações.

Pode-se dizer, com isso, que o dinheiro da Amélia se desvalorizou ou perdeu poder de compra, pois o que ela comprava com ele lá em 1995 não era mais possível comprar em 2005.

Mas se ela tivesse investido o que vinha poupando, teria consegui comprar a casa em 2005?

Veja aqui abaixo quanto ela teria ao final dos 10 anos se tivesse colocado mensalmente seu dinheiro na poupança, ainda a aplicação mais conhecida dos brasileiros.

Obs.: histórico de rendimentos anuais da poupança retirado de um artigo do “O Globo” que pode ser visto nesse link.

Teria conseguido R$ 122.582,75 e poderia ter comprado sua casa.

Isso na poupança.

E se ela tivesse investido seu dinheiro com um pouco mais de ousadia, colocando tudo num fundo de ações que seguisse o crescimento da nossa bolsa de valores?

Veja como teria ficado.

Obs.: histórico de rendimentos anuais da bolsa de valores retirado do site da BMFBovespa que pode ser visto nesse link.

Perceba que os resultados poderiam ter sido MUITO melhores do que a poupança, e ela só teria que ter estômago pra aguentar os anos de queda, como em 1997 e entre 1999 e 2001.

Veja só: mesmo período, mesmo valor guardado por mês, diferença apenas na forma de investir dinheiro.

Impressionante, não é?!

Apenas por não saber investir dinheiro, ou desconhecer a importância de fazer isso, a Amélia deixou de fazer seu dinheiro produzir pra ela, sem esforço algum, pelo menos R$ 48.000,00, podendo chegar até R$ 128.000,00 no segundo caso que apresentei, da bolsa de valores.

A Amélia é uma personagem fictícia que eu criei, mas quantas pessoas parecidas com ela existem por aí e ainda não sabem a importância de investir dinheiro?

E com o exemplo aqui dessa história eu quero responder a pergunta lá do título: investir dinheiro é a chave pra enriquecer?

Sim, investir dinheiro é definitivamente a chave pra enriquecer, mas é necessário investir dinheiro com inteligência.

Pra te ajudar com isso, vou te mostrar aqui abaixo:

  • Como identificar seu perfil de investidor;
  • Como começar a investir dinheiro;
  • Onde investir dinheiro;
    • Tesouro Direto
    • Ações
    • Fundos imobiliários
    • Fundos de proteção
    • Moedas digitais
  • A melhor forma de investir seu dinheiro (alocação de ativos).

Como identificar seu perfil de investidor

Antes de sair por aí querendo colocar dinheiro em Bitcoin, em ações ou em Tesouro Direto, é fundamental que você olhe pra você mesma(o) e busque entender:

Qual é o seu estilo? Você lida bem com situações instáveis, de altos e baixos, e consegue controlar bem seu stress? Ou você precisa saber o que vai acontecer em seguida pra se sentir segura(o) e conseguir dormir de noite?

Saiba que existem dezenas de opções de investimentos pra todos os tipos de pessoas, no entanto, se você não souber qual é o seu, as chances de “azedar o ki-suco” pro seu lado são grandes.

E é por isso que a primeira coisa que você faz ao abrir uma conta em uma corretora de valores é responder um questionário pra identificar seu perfil de investidor.

Dependendo do resultado, pode ser que sua conta fique “bloqueada” pra fazer aplicações muito arriscadas justamente pra você não se enfiar num buraco desconhecido.

“Ok, mas quais são os perfis de investidores e como saber qual é o meu?”.

Bom, os perfis mais comuns são: conservador, moderado e arrojado.

Perfil de investidor: conservador

Aqui estão os investidores que preferem mais a segurança do que a rentabilidade.

Aceitam “ganhar menos” em prol da certeza do que vão receber daqui um determinado período.

Muitas pessoas se enxergam aqui quando começam a investir por não terem conhecimento ou informação suficiente sobre investimentos.

Mas isso não significa que é aqui que você terá que ficar o resto da vida.

E nem significa que um perfil conservador impede você de investir em ações ou em produtos de maior risco.

Apenas indica que você é uma pessoa que evita riscos e que prefere se sentir segura.

Só se mantenha na posição de “conservador” se isso fizer sentido pra você.

Perfil de investidor: moderado

Quem se encaixa nessa classificação geralmente equilibra a balança entre segurança e rentabilidade, arriscando um pouco de dinheiro pra buscar um aumento mais rápido do seu patrimônio.

São pessoas que conseguem lidar com um pouco de instabilidade, mas de forma controlada e dentro de uma margem de segurança.

Deixam a maior parte do seu dinheiro em aplicações seguras e colocam a menor fatia em posições mais arriscadas.

Perfil de investidor: arrojado

Aqui estão os investidores que pendem a balança mais pro lado da rentabilidade e aceitam correr riscos mais elevados pra fazer seu dinheiro se multiplicar mais rápido.

Deixam um pouco de lado a segurança e conseguem lidar com situações de stress com mais facilidade.

Geralmente as pessoas que encontram-se nessa condição possuem mais de 20% dos seus investimentos em ações.

Afinal, qual é o seu?

Pra você descobrir, cabe fazer uma reflexão e se basear no que os questionários das corretoras apresentam.

Além disso, perceba como é seu comportamento no dia-a-dia de uma forma geral.

Você é uma pessoa calma, que pensa antes de agir e raramente reage no calor do momento? Que toma ações pensando a longo prazo e sem se preocupar com possíveis resultados indesejados ao longo do caminho? Que aceita não saber quanto vai ter exatamente de rendimento no futuro em troca da possibilidade de enriquecer mais rápido?

Se você respondeu sim pra essas questões, provavelmente você é uma pessoa que se encaixa no perfil arrojado.

Se você respondeu não pra essas questões, tudo indica que você é um investidor conservador.

Se você ficou no meio do caminho, nem tão lá nem tão cá, então é bem possível que seu perfil seja moderado.

São 3 perguntas bem simples, mas que podem, juntamente com a análise que sua corretora fez de você, indicar seu perfil de investidor.

Tendo isso resolvido, ou pelo menos no caminho de resolver, vamos entender:

Como investir dinheiro em 5 passos

1) Tenha metas de curto, médio e longo prazo bem definidas

Não adianta começar a investir antes disso porque suas decisões provavelmente não vão ser as mais inteligentes.

Você vai aplicar em coisas que você não sabe se realmente serão boas pros seus objetivos ou não (claro, você nem têm eles ainda).

É necessário que você coloque no papel, de verdade, tudo aquilo o que você quer pra um prazo de 1 ano até 20 anos (se você conseguir).

Você já deve ter ouvido isso por aí e, de tanto ouvir, espero que em algum momento isso entre na sua cabeça. Quem sabe agora… parece a ocasião perfeita.

Quem não coloca no papel não se compromete de verdade com aquilo que quer.

Pode ser um tênis, uma geladeira nova, uma máquina de lavar louça (como nosso novo objetivo aqui em casa), uma casa, atingir uma renda desejada ou qualquer outra coisa.

Se permita e coloque tudo pra fora.

2) Use 10 minutos do seu dia pra aprender

Sabe aquele tempo inútil que você passa nas redes sociais, só rolando a tela? Aqueles minutinhos que você fica olhando pro nada? Ou o tempo que passa dentro do ônibus ou num Uber da vida?

Então, esse é o tempo que você precisa pra aprender e começar a investir seu dinheiro.

Se todos os dias você se comprometer a ler um post desse blog, em uma semana (eu te garanto) você já vai saber mais sobre o dinheiro do que todo o seu bairro (isso se seu vizinho não ler dois).

Quanto maior o conhecimento, maior a renda.

Quanto maior o conhecimento em investimentos, melhores serão as suas decisões e mais o seu dinheiro vai trabalhar pra você.

3) Abra sua conta numa corretora

É eu sei, você pensou que esse passo vinha primeiro, não é!?

Mas não veio, e isso porque só depois de ter seguido os 2 passos anteriores é que vai fazer sentido você abrir sua conta na corretora.

Antes disso você precisava definir seus objetivos (seus e da sua família, tá? Não seja egoísta) e estudar um pouco sobre investimentos.

Só assim você vai abrir sua conta em corretoras que sejam estratégicas pro que você precisa.

Por exemplo, vai escolher aquela que não cobra pra investir em Tesouro Direto (como a ModalMais e tantas outras), ou vai escolher aquela que cobra a menor taxa de corretagem pra aplicar em ações (como a Clear, que não cobra nada).

E vai abrir conta em mais de uma corretora se isso for reduzir seus custos, porque isso é usar seu dinheiro de forma inteligente, entende?

Sei que isso deixa o processo mais complexo, no entanto, isso também vai fazer aparecer mais dinheiro no seu bolso.

4) Comece antes de saber tudo

Eu sei, eu sei, acabei de falar pra você que é necessário conhecimento.

Mas você não precisa de uma faculdade de economia pra começar a investir. No mundo dos investimentos, a prática é tão importante quanto a teoria.

Por isso, comece com o que tem, mesmo que seja pouco, e vá aprendendo ao longo do caminho.

Foi assim que eu comecei e é assim que a maioria das pessoas começa (pelo menos aquelas que sobrevivem no mercado financeiro).

5) Pague seus objetivos primeiro, viva depois

Pare de sabotar a sua versão do futuro por causa das suas vontades do presente.

Se você continuar fazendo isso, adivinha o que vai acontecer?

O “você do futuro” vai virar o “você do presente” e a conquistas dos seus objetivos irá pra onde? (seja educada(o) na resposta, por favor)

Vai pro futuro de novo, não é!? Até quando? Só você sabe até quando vai deixar isso acontecer na sua vida.

Portanto, seguindo o que os melhores investidores do mundo dizem, e que eu repito sempre: sempre se pague primeiro.

Onde investir dinheiro

Por mais que você nunca tenha investido em nada, seja completamente leiga(o) no assunto, você já deve ter ouvido falar em Tesouro Direto, ações, CDBs e talvez até em outras coisas.

Esquece a poupança, tá?! Por favor, me promete isso…

Então, aqui abaixo vou te apresentar um pouquinho mais sobre os seguintes produtos financeiros, que eu invisto e indico que você também invista:

  1. Tesouro Direto
  2. Ações
  3. Fundos imobiliários ou imóveis
  4. Fundos de proteção (dólar e ouro)
  5. Moedas digitais

Então vamos lá…

1) Tesouro Direto

Se houvesse uma alfabetização no mundo dos investimentos o Tesouro Direto seria como o processo de aprender a reconhecer as letras até o momento de copiar uma do lado da outra.

Isso porque é um dos investimentos mais seguros, baratos e fáceis de serem acessados no mercado financeiro.

Por qualquer corretora, e até mesmo bancos, você consegue começar a investir em Tesouro Direto e pode começar com R$ 30,00.

Por ser um título ligado diretamente ao governo, a chance de você perder seu investimento é praticamente zero porque isso só vai acontecer se o Brasil quebrar.

E a chance do Brasil quebrar, olhando todo o impacto que isso geraria no mundo, é praticamente zero.

Mesmo falando no tesouro, ainda existem 3 modalidades diferentes dele: Tesouro Prefixado, Tesouro SELIC e Tesouro IPCA.

Não vou entrar em detalhes aqui, mas vou compartilhar o que considero fundamental você saber.

Quer fazer sua reserva de emergência ou deixar investido um dinheiro que você vai usar em até 2 anos? Coloque no Tesouro SELIC, qualquer um que estiver disponível.

Isso porque ele varia de acordo com a SELIC (taxa básica de juros) e, nesse caso, você não vai perder dinheiro nunca.

Quer investir a longo prazo, por período acima de 5 anos, podendo chegar à 30? Coloque no Tesouro IPCA.

E o Tesouro Prefixado?

Invista nele só se você acompanha a economia e percebe que ele está oferecendo uma rentabilidade atrativa em comparação com outros títulos e com a expectativa da taxa de juros e da inflação pros próximos anos.

Digo isso porque se você não está ligada(o) na economia e compra um título prefixado qualquer, pode ser que você até perca dinheiro. Por exemplo, se a inflação superar a taxa que você está recebendo pelo título.

Consegui ser objetivo e te ajudar a escolher seus investimentos no Tesouro Direto?

Espero que sim. Em caso negativo é só me avisar nos comentários que eu te ajudo a esclarecer melhor.

2) Ações

Essa é uma parte mais delicada porque existem diversas opções e diferentes formas de avaliar se vale a pena comprar uma empresa ou não.

Eu mesmo compro apenas ações de empresas que eu confio e que consumo seus produtos ou serviços, e não entro em empresas que vendem coisas que eu não gosto, por exemplo armas, por melhor que sejam seus indicadores financeiros.

Mas esse é meu método de decisão.

O importante de falar de ações é que se você não for se dedicar integralmente à isso, que você invista a longo prazo, sem esperar retornos imediatos e sem ter que acompanhar o desempenho delas diariamente.

Analise as possibilidades, escolha 10 empresas que te interessam, procure sobre elas no Google, pense se com o que elas oferecem possivelmente ainda estarão no mercado daqui 20 anos, veja o que analistas de mercado falam sobre as empresas, analise alguns indicadores e tome sua decisão.

Das 10, sugiro investir, no começo, em apenas 5.

Sei que parece um jeito muito simples de decidir, até mesmo superficial, mas sei também que é o que a maioria das pessoas consegue fazer.

Se cerque da maior quantidade de informação possível, de diferentes fontes, e vai em frente.

No longo prazo, a tendência das grandes empresas é sempre se valorizar.

3) Fundos imobiliários ou imóveis

Os fundos imobiliários estão recebendo cada dia mais atenção do mercado.

Isso porque eles permitem você ter uma renda passiva, que entra todo mês na sua conta, como se fosse um aluguel.

É, eu sei que parece interessante, ainda mais porque você não precisa ter o imóvel físico pra receber o aluguel.

Por mais atraente que possa ser, é necessário que você siga um raciocínio muito parecido com o que você usou pra escolher ações.

Assim como empresas boas e ruins, existem fundos bons e ruins.

Busque informações, veja o que as pessoas estão falando, pesquise e tome sua decisão com base no que fizer sentido pra você.

Novamente, por mais simples e superficial que isso pareça, com a quantidade de informação disponível hoje na internet é fácil você cruzar diferentes fontes de informação pra ver se elas seguem o mesmo caminho ou não, se indicam que uma empresa ou um fundo é confiável ou não.

Agora, se ao invés de investir em fundos imobiliários você quiser investir em imóveis físicos, veja esse post aqui abaixo que escrevi há algumas semanas no meu blog sobre o assunto.

Investir em Imóveis: 3 Critérios Que Vão Garantir Que Você Faça Excelentes Negócios

4) Fundos de proteção (dólar e ouro)

Sei que provavelmente você nunca ouviu falar sobre isso.

Pouca gente conhece esse tipo de investimento e efetivamente investe em proteção.

Mas por que fundos em dólar e em ouro são chamados assim, de proteção?

Porque eles não estão atrelados à economia brasileira e, com isso, são mais estáveis do ponto de vista econômico.

Ou seja, são um seguro caso o Brasil vá pro buraco.

O dólar, em especial, tem um comportamento geralmente contrário à bolsa de valores brasileira. Quando a bolsa cai o dólar sobe, e quando a bolsa sobe o dólar cai.

Dessa forma, esses fundos funcionam como um colchão pros demais investimentos que você tem, principalmente pras ações.

Procure na sua corretora por fundos que te permitam investir em dólar ou ouro de forma indireta.

No entanto, se você não quiser entrar em fundos e investir direto em dólar e ouro, é possível fazer isso por meio das casas de câmbio.

Você é que sabe.

5) Moedas digitais

Talvez você não conheça muito sobre elas, mas já ouviu falar em Bitcoin, não é?!

Há mais ou menos 3 anos ela era a tentação do momento e muita gente começou a investir nela mesmo sem nunca ter saído da poupança.

Confesso que no processo de alfabetização em investimentos, as moedas digitais são as redações completas, quando já se tem domínio da gramática e do vocabulário.

Elas são MUITO mais instáveis que as ações e ainda são pouco regulamentadas, o que gera uma certa desconfiança dos governos.

Isso coloca ela como um investimento de altíssimo risco e que você pode ter na sua carteira com um dinheiro que não vá te fazer falta.

Como meu amigo Otávio Moura diz: “coloque em moedas digitais o dinheiro da pinga, e não o dinheiro do leite das crianças”.

Pra escolher em quais investir faça como sugeri com ações, porém, dedique mais tempo em estudá-las antes de escolher aquelas nas quais vai colocar seu dinheiro.

A melhor forma de investir dinheiro

Agora que eu já te falei sobre os principais tipos de investimentos disponíveis no mercado, vou te mostrar a melhor forma de investir seu dinheiro, garantindo boa rentabilidade e muita segurança.

E a fórmula mágica é: balancear seus investimentos e ter todos os que eu comentei aqui em cima em sua carteira.

O balanceamento pode variar de acordo com seu perfil de investidor, mas todos eles terão essas 5 aplicações.

Isso é chamado pelos investidores de alocação de ativos.

A divisão que vou te apresentar aqui abaixo leva em conta a parcela do seu dinheiro que será destinada à sua liberdade financeira ou, se preferir, sua aposentadoria.

Faço dessa forma porque essa será a sua parcela de investimentos que ficará aplicada à um prazo mais longo, o que favorece algumas das aplicações que comentei.

No caso dos objetivos específicos, pode usar essa mesma divisão pra aqueles acima de 10 anos pra serem realizados.

Alocação de ativos

Só como alinhamento, minhas orientações estarão baseadas apenas na indicação de quanto do seu dinheiro você deve destinar pra cada tipo de investimento, ok?

Não vou passar recomendações exatas do que comprar porque não sei quando você vai ler esse meu post.

Pode ser que uma indicação faça sentido agora, mas daqui 1 mês já não faça mais.

Faço isso pela segurança do seu dinheiro e por saber que o que vou apresentar aqui abaixo é realmente o segredo do enriquecimento a longo prazo.

Perfil de investidor – Conservador

Perfil de investidor – Moderado

Perfil de investidor – Arrojado

Conclusão

Espero que com esse post você tenha entendido que investir dinheiro é sim a chave pra enriquecer.

É a chave pra fazer seu dinheiro trabalhar a seu favor sem que você tenha que se esforçar o tempo todo.

E mais, investindo seu dinheiro você ganha poder de compra ao longo do tempo, e não perde ele como aconteceu com a história da Amélia.

Por fim, espero que você tenha, ao longo desse texto, conseguido descobrir qual é seu perfil de investidor, tenha aprendido como começar a investir dinheiro, tenha entendido quais suas opções de investimento e saiba com clareza qual é a melhor forma de fazer seu dinheiro trabalhar por você.

O que eu mais quero é que você use seu dinheiro de um jeito cada dia mais inteligente e que ele permita que você viva sua vida exatamente como você quer.

E você, já tinha chegado à conclusão de que investir dinheiro é a chave pra ficar rica(o)? Ou chegou agora com meu post?

Deixe seu comentário aqui embaixo, compartilhe as dicas que te dei e deixe seu e-mail pra receber novidades gratuitas sobre enriquecer você e sua família com equilíbrio.